“Certa vez um camponês foi à floresta apanhar um pássaro. Conseguiu capturar um filhote de águia. O filhote foi colocado no galinheiro junto com as galinhas. Cresceu e aprendeu os hábitos das galinha.

Depois de cinco anos, esse homem recebeu a visita de um naturalista. Enquanto passeavam pelo jardim, disse o naturalista:

  • Esse pássaro aí não é uma galinha. É uma águia.
  • De fato, disse o homem, é uma águia. Mas, criei-a como galinha. Ela não é mais águia. É uma galinha como as outras.
  • Não, retrucou o naturalista, ela é, e sempre será, uma águia. Sua essência a fará um dia voar às alturas. Ela tem coração de águia, certamente poderá aprender a agir  e voar como águia.
  • Não, insistiu o camponês. Ela virou galinha e jamais voará como águia.

Então decidiram fazer uma prova. O naturalista tomou a águia, ergueu-a bem alto e, desafiando-a, disse:

  • Já que você de fato é uma águia, já que você pertence ao céu e não à terra, então abra suas asas e voe!

A águia ficou sentada sobre o braço estendido do naturalista. Olhava distraidamente ao redor. Viu as galinhas lá embaixo, ciscando grãos. E pulou para junto delas.

O camponês comentou:

  • Avisei… ela virou uma simples galinha!
  • Não, tornou a insistir o naturalista. Ela é uma águia. E uma águia sempre será uma águia. Vamos experimentar novamente amanhã.

No dia seguinte, o naturalista subiu com a águia no teto da casa, sussurrando-lhe:

  • Águia, já que você é uma águia, abra suas asas e voe!

Mas, quando a águia viu lá embaixo as galinhas ciscando o chão, pulou e foi parar junto delas. O camponês sorriu e voltou a afirmar:

  • Repito…ela virou galinha!
  • Não, respondeu firmemente o naturalista. Ela é águia e possui sempre um coração de águia.

Vamos experimentar ainda uma última vez. Amanhã a farei voar. No dia seguinte, o naturalista e o camponês levantaram bem cedo. Pegaram a águia, levaram-na para o alto de uma montanha. O sol estava nascendo e dourava os picos das montanhas. O naturalista ergueu a águia para o alto e ordenou-lhe:

  • Águia, já que você é uma águia, já que você pertence ao céu e não à terra, abra suas asas e voe!

A águia olhou ao redor. Tremia, como se experimentasse nova vida. Mas não voou. Então, o naturalista segurou-a firmemente, bem na direção do sol, de sorte que seus olhos pudessem se encher de claridade e ganhar as dimensões do vasto horizonte.

Foi quando ela abriu suas potentes asas. Ergueu-se, soberana, sobre si mesma. E começou a voar, a voar para o alto e voar cada vez mais para o alto. Voou. E nunca mais retornou.”

(autor desconhecido)

Nosso destino está intimamente relacionado com a revelação que temos de quem somos, e de quem fomos criados para ser. A frase de Abraham Lincoln: “Não importa o ninho, se o ovo é de águia“, complementa o recado deste texto.

Nunca permita que definam quem você é, baseado em suas circunstâncias. Fomos criados com capacidade de superação superior a que imaginamos. Lute por seu destino. Você nasceu para lugares altos.