amar é uma escolha, ame

Amar é sempre ser vulnerável. Ame qualquer coisa e certamente seu coração vai doer e talvez se partir. Se quiser ter a certeza de mantê-lo intacto, você não deve entregá-lo a ninguém, nem mesmo a um animal. Envolva-o cuidadosamente em seus hobbies e pequenos luxos, evite qualquer envolvimento, guarde-o na segurança do esquife de seu egoísmo. Mas nesse esquife – seguro, sem movimento, sem ar – ele vai mudar. Ele não vai se partir – vai tornar-se indestrutível, impenetrável, irredimível. A alternativa a uma tragédia ou pelo menos ao risco de uma tragédia é a condenação. O único lugar além do céu onde se pode estar perfeitamente a salvo de todos os riscos e perturbações do amor é o inferno.”

C S Lewis

Somos seres criados com a necessidade de receber e dar amor. A essência de Deus é amor. Quando desviamos deste caminho, assim como sabiamente conclui C S Lewis no texto acima, nos aproximamos do inferno.

Amar dói. Assim como no texto do cavalinho, que publiquei anteriormente, não nos tornamos de verdade, quando não suportamos a dor oriunda do amor. A capacidade de lidar com frustrações e perdas, está intimamente relacionada com nosso desejo de crescer em amor.

Amar envolve risco. Envolve escolha. Amar pressupõe ação, integração. Ninguém que ama vive isolado. Somos seres sociáveis. Precisamos da diferença, da diversidade. É o colorido dela que torna a vida tão especial.

Não permita que as feridas causadas pelo amor, te obriguem a estacionar em algum lugar de sua jornada. Isso estará extinguindo a única força capaz de dar significado à sua existência.

Amemo-nos uns aos outros; porque o amor é de Deus; e qualquer que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor.”
1 Jo. 4:7,8